Suite Junior Antero de Quental
Suite Junior Antero de Quental

Antero de Quental

SUITE JUNIOR ANTERO DE QUENTAL

{18 de abril de 1842 {Ponta Delgada, Açores, Portugal} – 11 de setembro de 1891 {Ponta Delgada, Açores, Portugal}}

 

Conheça a nossa Suite Junior Antero de Quental:

No nosso Torel Palace Porto, hotel de luxo no centro do Porto, homenageamos Antero de Quental num dos nossos quartos de hotel da categoria Suite Junior, com cama de casal, varanda e vista para a piscina.

 

A Suite, localizada no segundo piso, foi decorada pela designer Isabel Sá Nogueira, que escolheu as cores claras e minimalistas. Por sua vez, Jorve Curval assina o quadro do autor.

Por sua vez, o cubo espelhado, que se encontra em plena Suite, confere luminosidade e grandiosidade à mesma.


     Suite Junior Antero de Quental:

*Uma extraordinária categoria de quarto no hotel mais elegante e romântico do Porto.

  • 39 m2;
  • Cama double ou twin;
  • Vista para a piscina;
  • Varanda;
  • Lareira;
  • Máquina de café Nespresso;
  • Minibar;
  • Televisão;
  • WiFi gratuito;
  • Ar-condicionado;
  • Secador de cabelo;
  • Cofre;
  • Ocupação: até duas pessoas.

 

Veja também os restantes quartos da categoria Suite Junior: Padre António Vieira, Júlio Diniz, Miguel Torga, Mário de Sá-Carneiro.


Sobre o escritor...

Antero Tarquínio de Quental foi um escritor e poeta português do século XIX. Dedicou-se à poesia, à filosofia e à política ao longo da sua vida.

 

Estudante de Direito, Antero defendia fortemente a liberdade de pensamento e a justiça social. Viajou por Portugal, França, Canadá e Estados Unidos da América. O escritor foi amigo de Eça de Queiroz e Oliveira Martins, tendo o início da sua vida literária sido influenciado em parte por Alexandre Herculano.

Em setembro de 1881 foi, por razões de saúde, viver em Vila do Conde, onde permaneceu por dez anos. Este período foi considerado pelo poeta como o melhor da sua vida. Devido à sua estadia, foi fundado nesta cidade o "Centro de Estudos Anterianos", em 1995.

Antero sofria de distúrbio bipolar, o que o levou a cometer suicídio com um tiro na cabeça com apenas 49 anos, na sua cidade natal, junto ao Convento de Nossa Senhora da Esperança. Deixou para trás a sua carta autobiográfica, enviada em maio desse ano: “Morrerei, depois de uma vida moralmente tão agitada e dolorosa, na placidez de pensamentos tão irmãos das mais íntimas aspirações da alma humana e, como diziam os antigos, na paz do Senhor - Assim o espero”.

 

Algumas das suas principais obras:

  • Sonetos de Antero(1861);
  • Beatrice e Fiat Lux (1863);
  • Odes modernas (1865);
  • Sonetos completos (1886).

“É preciso passar sobre ruínas / Como quem vai pisando um chão de flores!” - Sonetos de Antero, Antero de Quental.